Confiram em nossa Galeria algumas fotos da Semana Santa!

Fotos Semana Santa

Mensagem do Padre

  • O SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO

    É ADMIRÁVEL e até surpreendente que o amor humano, o amor entre um homem e uma mulher – amor que envolve doação, parceria, cumplicidade, carinho, carícias e intimidade sexual e erótica, – seja marcado por Cristo com a sua Graça, isto é, que seja um Sacramento. O amor entre homem e mulher, amor carnal, também é sinal do Amor de Deus. Vejamos… O Catecismo da Igreja Católica afirma o seguinte: “O pacto matrimonial pelo qual o homem e a mulher estabelecem entre eles a comunidade [comum unidade] por toda a vida, por sua própria natureza ordenado ao bem dos esposos   e à procriação e educação dos filhos, entre os batizados foi elevado por Cristo Senhor à dignidade de Sacramento.” (CIC §1601). Há uma grande beleza nesta realidade: homem e a mulher, pelo amor, assumem uma aliança para toda a vida. E para quê? Primeiro por amor, para desfrutarem e viverem o amor entre eles: amando-se e sendo \”felizes para sempre”. – É disso que o Catecismo está falando quando diz “bem dos esposos”. Em segundo lugar, porém não menos importante, o Matrimônio é assumido para que o casal partilhe seu amor com os filhos que Deus lhes enviar. O perfeito amor é assim, difusivo: espalha-se, difunde-se, aumenta… Quanto mais amor, mais partilha. E mais expansão de amor.  O Catecismo diz ainda que esse amor, entre um cristão e uma cristã, foi elevado por Cristo à dignidade, à condição de Sacramento, quer dizer, de sinal eficaz da Graça de Cristo(!). Até São Paulo, admirado, exclamou sobre essa realidade: “Mas é grande esse mistério!” (Ef 5,32). O Catecismo recorda ainda que a Escritura, do começo ao fim, fala do Matrimônio e do seu mistério profundo: basta lembrar que, logo no Gênesis, está a criação do homem e da mulher e a ordem de crescerem e se multiplicarem. E vemos ali a primeira palavra do homem, que não foi uma oração a Deus, mas uma declaração de amor: “Eis agora, aqui, o osso dos meus ossos e a carne de minha carne!” (Gn 2,23). E o Apocalipse, último livro da Bíblia, termina com a visão mística das Núpcias do Cordeiro, que é o próprio Cristo, com sua Igreja, a Jerusalém Celeste (cf. Ap 19,7.9). O Matrimônio, enquanto união sagrada entre homem e mulher, não começou a existir com o cristianismo; existe desde que existem os seres humanos. A Escritura diz que Deus nos criou à sua imagem, e semelhança. Entre outras coisas, isso significa que o homem, assim como Deus, é capaz de amar e de ser amado. Todos nós temos sede de dar e receber amor. Você já parou para pensar que somente amando é que nos humanizamos, amadurecemos, crescemos, não só espiritualmente como também emocionalmente e até intelectualmente? Amando é que crescemos enquanto seres humanos, em sentido integral. Quem não ama se desumaniza. Aquele que se fecha para o amor se animaliza, de um modo ou de outro.  Por isso mesmo, – veja que interessante é isto, – no Gênesis lemos que Deus cria e vê que tudo o que cria é bom; mas, ao criar o homem, exclama: “Não é bom que o homem esteja só” (Gn 2,18). O SENHOR, então, do homem cria a mulher. Belíssima e profunda esta parábola, esta linguagem simbólica do Antigo Testamento da Bíblia! E a Escritura diz que então Deus mandou um sono ao homem, o que deixa claro que ele, homem, não participa da criação da mulher: ela é criada diretamente por Deus, assim como o homem. E Deus a tira da costela, do lado do homem, do seu íntimo, para que lhe seja companheira, para que sejam os dois \”uma só carne\” (Gn 2,24). Como dizia Sto. Agostinho, Deus não tirou a mulher dos pés do homem (porque ela não é inferior a ele) e nem lhe tirou da cabeça (ela também não lhe é superior): tirou-a do lado. Significativo também é o fato de Deus não ter novamente assoprado sobre a mulher para dar-lhe a vida: ambos vivem do mesmo Sopro de Deus, pois foram feitos um para o outro. E o amor do homem pela mulher, logo que a viu, foi instantâneo (Gn 2,23). Assim vemos que o Matrimônio não é uma realidade exclusivamente cristã. Ainda que somente o Matrimônio entre cristãos seja Sacramento, as uniões entre homens e mulheres, fundamentadas no amor, são de algum modo abençoadas por Deus, pois estão inscritas naquele propósito inicial do SENHOR para a humanidade. Em todas as culturas e épocas, enquanto o ser humano existir, homem e mulher largarão tudo, sairão de seu ninho afetivo, deixarão a família em que nasceram e assumirão uma grande aventura: formar uma nova família, um novo lar, uma nova vida totalmente compartilhada, na qual o destino dos dois esteja entrelaçado, e desse laço dependa o destino dos filhos! Realmente, “é grande este mistério”…. A doutrina cristã católica trata da experiência do mal que cada um de nós e toda a humanidade vivencia: somos como que quebrados em nossas almas, incoerentes, muitas vezes egoístas. Tal situação atinge todos os aspectos da existência humana, e também a relação afetiva entre o homem e a mulher. Mesmo algo tão bonito como o amor verdadeiro de um casal não é sempre um \”mar de rosas\”. Também esse amor é ameaçado pela discórdia, pelo espírito de domínio, pelo ciúme, pela infidelidade e por tantos conflitos que, acumulados, podem fazer com que, num desfecho extremo e trágico, esse sentimento sublime chegue a tornar-se ódio. O amor não é algo que \”cai do Céu\”… É um sonho, um desejo do coração, porém é constantemente ameaçado pela nossa desordem interior, e mais ainda pela desordem do mundo que nos cerca. De onde vem tais desordens? A fé nos diz que vem da situação de pecado na qual a humanidade toda se encontra. Esta situação de pecado, – que teologicamente chamamos Pecado Original, – provém do início da humanidade: o homem decidiu viver sua vida do seu jeito, quis ser seu próprio deus e, assim, desarrumou-se completamente: consigo mesmo, com Deus, com a natureza, com os outros… E a relação homem-mulher também foi gravemente prejudicada. A Sagrada Escritura está repleta de histórias que nos mostram como o amor humano muitas vezes degenera em egoísmo, o afeto em ciúme, a atração sexual em pura relação de domínio e desfrutamento carnal e egoísta. Mas, apesar de toda desordem, o plano de Deus para o amor humano continua vivo, belo, alto, nobre! Com a Graça que nos vem por Jesus Cristo, o homem e a mulher podem se superar e viver um amor realmente digno desse nome. É necessário, porém, investir nele, construí-lo, sabendo renunciar, dialogar, perdoar, aprender a ser feliz na felicidade do outro. O amor se aprende, o amor se constrói. Quem não está disposto a se construir e se formar no dia a dia não deveria se casar, porque não saberá amar de verdade, e o Sacramento do Matrimônio necessita de amor. Amar é saber ser verdadeiramente feliz pelo bem do outro, é saber sair de si para ir ao encontro do outro, com seus sonhos, projetos e jeito de ser. O amor real, de carne e osso, não se dá entre dois seres perfeitos e totalmente integrados; mas entre duas pessoas com virtudes, defeitos e feridas deixadas pela vida. Pessoas \”em construção\”, pessoas que precisam ser perdoadas, acolhidas, amadas, aceitas. Nesse sentido, o Matrimônio é um belíssimo meio para sair de si, para abrir-se para o outro, para aprender a partilhar. O Matrimônio é caminho de superação, humanização e amadurecimento. É como um santo simulacro da relação ser humano – Deus. Que Deus abençoe nossas famílias, as pastorais e movimentos que trabalho em prol das  famílias em especial peço a Deus as bênçãos sobre a Pastoral Familiar que prepara os noivos para o matrimônio, que acompanha os casais nos vários setores, do matrimônio.

                                                                                 Pe.Valdir Egea.

     

  • PAGINA 06

Notícias Antigas

  • Horário das Missas

    Sábado

    Capela São José – Distrito Mariza: 20:00 horas


    Domingo

    Igreja Matriz: 08:00horas e ás 19:30horas

    Peti: 10:00horas


    Quarta-Feira

    Igreja Matriz: 20:00 horas com Novena de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro


     Sexta-Feira

    Igreja Matriz: 07:00horas e ás 15:00horas

    Igreja Matriz: 07:00horas (Somente na 1ª Sexta-Feira do Mês)


    Dia 22 de cada mês.

    Capela Santa Rita de Cássia – Bairro 2 Palmitos

    Participe deste momento de fé em comunidade.

Calendário Paroquial

Próximos eventos

  1. Sábado

    maio 25
  2. Domingo

    maio 26
  3. Segunda-Feira

    maio 27
  4. Terça-Feira

    maio 28
  5. Quarta-Feira

    maio 29

Informativo Paroquial

  • 5º ECC- Encontro de Casais com Cristo

    1ª Etapa Paróquia São Pedro Apostolo – São Pedro do Ivaí (03, 04 e 05 de maio de 2019) O Encontro de Casais com Cristo – ECC – nasceu de um sacerdote (Pe. Alfonso Pastore – “O ECC é um serviço à família, feito por casais para casais.”) que dedicou sua vida sacerdotal à Pastoral […]

  • Sacramento da Crisma ou Confirmação Sacramento da Eucaristia

    Unidade entre Batismo, Crisma e Eucaristia. Nos primeiros séculos, Batismo, Crisma e Eucaristia eram celebrados e administrados de uma só vez e constituíam uma profunda unidade. Eram conferidos na Vigília Pascal a adultos que se convertiam ao cristianismo. Normalmente na cidade, na celebração do bispo, auxiliado por padres e diáconos. Assim se justificava como Sacramentos […]

  • UMA HISTÓRIA DE BENÇÃOS

    UMA IGREJA – POVO DE DEUS QUA SE “RENOVA NA CAMINHADA” Na história de um povo que foi chegando e formando pequenos grupos, foram se conhecendo, compartilhando suas experiências de vida, celebrando sua fé e se ajudando mutuamente na vivência e no compromisso com a construção do Reino de Deus, pela Graça e força do […]

  • Qual a relação entre a Páscoa judaica e a cristã?

    A Páscoa é uma solenidade tão importante que um dia só é pouco. Por essa razão, judeus e cristãos levam oito dias para festejar, respectivamente, a passagem do cativeiro à liberdade e da morte à vida. Enquanto a Páscoa está centrada na figura de Jesus, a Pessach (Páscoa judaica) evoca a memória de Moisés. Foi […]

CONTATO

Deixe-nos uma mensagem!

Informação de contato

Praça Padre José Rossi, s/n
Centro
São Pedro do Ivaí - Paraná
CEP 86.945-000
Caixa Postal 110
(43) 3451-1391
(43) 99676-9688
Segunda-Feira: 08:00 ás 17:00horas
Terça-Feira: 13:00 ás 17:00horas
Quarta á Sexta-Feira: 08:00 ás 17:00horas
Sábado: 08:00 ás 12:00horas
Paróquia São Pedro Apóstolo © 2018 | Todos os direitos reservados
DESENVOLVIDO E HOSPEDADO POR